Loading

"Os valores de Abril"

"Na madrugada do dia 25 de Abril do ano de 1974, principiou-se a conquista da liberdade e da democracia em Portugal, a que foram chamados de valores de Abril. Sem medo, o MFA, Movimento das Forças Armadas, saiu à rua e, mesmo com vários constrangimentos, depuseram o Regime Ditatorial que já durava há mais de quarenta anos, tentando a todo o custo o não derramamento de sangue do povo português. Que se dignifique e que fique para sempre na memória e na história, quem vitoriosamente fez grande ato louvável à nossa Pátria Mãe.


Por isso mesmo, recordamos este ano o seu 45º aniversário. 45 anos liberdade, de democracia, mas estes valores, parecem estar-se a perdeu ao longo dos tempos. Já cantava, Zeca Afonso sobre a liberdade e a igualdade: “Em cada esquina um Amigo, Em cada rosto Igualdade…”, mas ainda hoje reparamos que nem toda a comunidade aceita a diferença do outro que vive ao seu lado. Ainda hoje, reparamos que o egoísmo corrompe os laços de amizade e as relações comuns entre as pessoas e, em cada esquina encontramos um inimigo que a qualquer momento nos quer fazer frente.


Pelo país fora, deparamos-mos com quantos e quantos que renunciam à sua pura liberdade de expressão, maioritariamente os mais jovens, valor este que foi conquistado com tanto suor e lágrimas que por muito que imaginemos nunca iremos saber na realidade o verdadeiro sofrimento da sua conquista.


Receia-se o crescimento do Populismo. Receia-se o crescimento das minorias dos extremos partidários. Estatísticas e estatísticas, mostram o constante crescimento da abstenção nas eleições, e, o mais preocupante, é aumento da abstenção nas classes mais jovens, porque estes não se revêm nas políticas partidárias, simplesmente, na maioria dos casos, os jovens não são a população alvo das políticas e nem a maioria dos eleitores que elegem um determinado governo.


Nós, Jovens, não somos os eleitores medianos que os políticos procuram persuadir para vencerem as eleições, mas somos aqueles que num futuro próspero ou impróspero teremos que levar o país e reorganizar tudo aquilo que as gerações anteriores mal ou bem fizeram.


Em computo geral, que não se percam os valores da Revolução dos Cravos. Que os de hoje, pensam nos de amanhã, e que, se temos liberdade e estamos numa democracia aproveitemos para demonstrar o que queremos num futuro a curto e a longo prazo. Uma ressalva final, a Nós, juventude do amanhã, que mesmos sem algo que nos favoreça, não deixemos perder a nossa voz e nunca nos abstenhamos dos nossos deveres cívicos, salvaguardando assim os ditos os Valores de Abril.


Emanuel Alexis"


Publicado no Jornal Correio da Feira - Edição 30 de Abril de 2019